quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

SPORTING 4 corruptos 1

O Sporting está na final da Taça da Liga, depois de bater o FC Porto, em Alvalade, por 4-1. Os «azuis e brancos» marcaram primeiro, mas Romagnoli não desperdiçou duas grandes penalidades e Derlei fez o resto. Apesar de terem entrado a perder, os «leões» nunca baixaram os braços, deram a volta ao encontro e humilharam o campeão nacional. Foram quatro, mas podiam ter sido mais.
Para a meia-final da Taça da Liga, frente ao FC Porto, Paulo Bento optou por fazer algumas mudanças na equipa, relativamente ao jogo frente ao Trofense; sairam Patrício, Abel, Carriço, Caneira, Rochemback, Derlei e Liedson e entraram, para os seus lugares, Tiago, Pedro Silva, Grimi, Tonel, Adrien, Romagnoli e Postiga.
Apesar das alterações, os «leões» entraram em campo com uma atitude muito boa, encostando, desde o primeiro minuto, a equipa portista (que, afinal, compareceu em Alvalade com um «onze» constituído somente por seniores) à sua grande área. No entanto, e sem que nada o fizesse prever, foi o FC Porto que chegou à vantagem (9 m), depois de uma desatenção da defesa «leonina»; Tomás Costa, na cobrança rápida de um livre, desmarcou Sektioui que, na cara de Tiago, rematou cruzado para fazer o 0-1.
Depois do golo sofrido, a equipa de Alvalade reagiu e em dez minutos podia ter marcado por três vezes, mas Postiga, por duas vezes e Izmailov não acertaram no alvo. À passagem do minuto 20, Postiga chegou a introduzir a bola na baliza de Nuno, mas Carlos Xistra invalidou o lance por suposta mão do avançado. Ainda assim, o Sporting não baixou os braços e continuou à procura do golo; golo que acabou por aparecer aos 35 minutos, na transformação de uma grande penalidade cometida sobre Polga e convertida por Romagnoli. A partir de então, e até ao intervalo, só deu Sporting. Por diversas vezes, os pupilos de Paulo Bento quase chegaram à vantagem, mas o cronómetro foi amigo de Jesualdo Ferreira e Carlos Xistra apitou para o intervalo.
A segunda parte, essa, não podia ter começado de melhor maneira; no primeiro lance de ataque dos «leões», Postiga foi carregado em falta, dentro da área, por Sapunaru e Romagnoli, na conversão do castigo máximo, fez o seu segundo golo da partida, colocando, pela primeira vez no encontro, o Sporting em vantagem. Nos minutos que se seguiram, notou-se uma ténue reacção do FC Porto, mas a defesa «leonina» mostrou-se, sempre, muito segura e, à passagem do minuto 66, o recém-entrado Derlei, depois de uma magnífica jogada de entendimento entre Pereirinha, Moutinho e Vukcevic (com um toque primoroso de calcanhar), fintou Nuno e empurrou para o 3-1.
A pouco mais de vinte minutos da final do Algarve (22 de Março), eram pouco os que, em Alvalade, acreditavam que o Sporting não estivesse no jogo decisivo. Ao invés, eram muitos os que acreditavam que haveria mais golos do Sporting... e tinham razão. Depois de muitas oportunidades desperdiçadas pelos atacantes da casa, Derlei voltou a marcar, respondendo da melhor maneira a um cruzamento de Izmailov.
4-1 foi o resultado de um jogo que os «leões» dominaram do princípio ao fim. Na outra meia-final, o Benfica derrotou o V. Guimarães por 2-1 e será o adversário do Sporting na final do Algarve.

1 comentário:

LS XXI disse...

"O estranho caso de Ninja Derlei" em www.linhadesintracombatentes.blogspot.com